terça-feira, 16 de fevereiro de 2021

Adolescente autista é agredido no centro de Concórdia

Rodrigo de Oliveira, que é pai de um adolescente de 15 anos, publicou uma nota de indignação em várias redes sociais de Concórdia no fim de semana. O motivo do protesto dele é a violência que o filho, que é autista, sofreu na Praça Dogello Goss, no centro do município. Segundo o relato do pai, o menino foi espancado e apresenta vários ferimentos pelo corpo. Ele também registra que as agressões não tiveram motivos e o homem deu socos, chutes e tentou estrangular o menino, ao perceber que ele é autista.

De acordo com Rodrigo, o fato aconteceu na manhã de domingo. Ele socorreu o filho e acionou a Polícia Militar. “Ele foi agredido pelas costas, pelo simples fato de ser autista. Meu filho não fez nada, estava passeando com seu cachorro de estimação”, contou o pai no Facebook. “O agressor tentou estrangular meu filho aplicando um golpe mata-leão e desferiu diversos socos e chutes. Derrubou ele no chão e jogou bebida nele. Ele gritou e algumas pessoas que estavam próximas o socorreram. Fui até a Praça com ele e chamei a Polícia, que chegou ao local”, detalhou. “Meu filho foi ameaçado de morte e o agressor falou que se ver ele na rua vai quebrar ele todo, falou isso na frente de todos. O Boletim de Ocorrência foi registrado e demais providências foram tomadas, mas o agressor foi liberado”, registrou Oliveira.

Em contato com o Jornalismo da Aliança FM, Rodrigo relatou que a família mora em Concórdia há seis meses. “A gente imaginou que aqui fosse bem mais tranquilo. É uma situação triste, poderia ser com qualquer outro”, lamentou. “Meu filho tem síndrome de Asperger, que faz parte do transtorno do espectro autista. Tem transtorno de deficit de atenção e hiperatividade, depressão e transtorno de ansiedade. Ele tem deficiência neurológica e usa a Praça pra dar uma volta com o cão e aliviar o estresse de vez em quando, isso faz parte do tratamento, é orientação médica. Está em estado de choque e além da lesão corporal, meu filho sofreu violência psicológica fortíssima, está em estado de choque. E a pergunta que eu faço e a seguinte. Ele apanhou por ser autista? Ele não incomoda ninguém”, detalhou o pai. “A mãe dele e eu desprezamos todo o tipo de violência e nosso sentimento é de revolta. Meu filho é indefeso, mas eu não posso trancar ele dentro de casa por ser autista, ele precisa conviver com a sociedade”, explicou Rodrigo.

A Polícia Militar confirmou à Aliança FM que uma guarnição esteve no local. Segundo a PM, o agressor apresentava sinais de embriaguez e tem várias passagens pela polícia. Ele foi abordado e ele vai responder um Termo Circunstanciado por lesão corporal, que é a punição que cabe neste tipo de situação. Ele não chegou a ser preso. 

Fonte: Cristiano Mortari - Rádio Aliança



Um comentário:

  1. Quanto ao homem embriagado, seu estado já o condena como prisioneiro de um vício lastimável. Cedo ou tarde ele sofrerá sua punição por alguma lei humana seja cívil ou moral. Quando ao jovem autista, os pais agora precisam mostrar ao filho que as dificuldades existem para os fortes enfrentarem. O fato de ele estar na praça passeando sozinho com o cachorro naonprecusa ser explicado. Ele tem direito de conviver e andar em ambientes sociais. O que o jovem provavelmente vai absorver com mais impacto é o plantio que osbpais farão no caráter dele a partir desse terrível incidente. Isso jamais deveria acontecer com ninguém, mas infelizmente aconteceu com um guerreiro que não tem trégua em suas lutas. Os autistas em geral veem o mundo pelos olhos de seus tutores, de quem confiam muito. Mostre a ele pais queridos, como reagir. Não se condene através de um condenado. Commcerreza vocês irão superar mais essa. Deus os fortaleça.

    ResponderExcluir

Procure sua notícia

Mais acessadas