Programa de combate à dengue consegue zerar focos do mosquito em Piratuba - Magronada

Procure sua notícia

Programa de combate à dengue consegue zerar focos do mosquito em Piratuba

O trabalho intenso, mesmo em épocas de frio, que é o período que o mosquito tem menos chances de se proliferar e a instalação de armadilhas, ações conhecidas tecnicamente como buscativas, fizeram com que o Programa de Combate à Dengue da Secretaria de Saúde de Piratuba conseguisse zerar os focos do mosquito Aedes Aegypti, transmissor da dengue e da febre amarela urbana. 
A informação foi repassada pelo coordenador do Programa, Júlio Cesar de Moura. "O trabalho bem-sucedido às atividades de campo, como o monitoramento de áreas suscetíveis ao surgimento do mosquito, além das campanhas de conscientização com a comunidade, foram fundamentais para a erradicação dos focos", disse.
Pelos dados da Secretaria de Saúde, em 2017 foram detectados sete focos do mosquito. Já em 2018, foram apenas três. Agora, pelo novo mapeamento do Programa de Combate à Dengue, não houve notificação de criadouros do mosquito.
O Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue e da febre amarela urbana, é originário da África. Se espalhou pelo Brasil fazendo as primeiras vítimas em 1996. Facilmente confundido com um pernilongo, vive em média 30 dias. Neste período, uma fêmea da espécie chega a colocar entre 150 e 200 ovos.
Os locais preferidos para a postura são objetos que armazenem a água da chuva, como latas e garrafas vazias, pneus, calhas, caixas d'água descobertas e até mesmo pratos sob vasos de plantas. Daí a expressão: "Não deixe água parada".
Fonte: Ernoy Mattiello / Redação

Postagens mais visitadas

Wikipedia

Resultados da pesquisa